domingo, 8 de julho de 2012

Num Labirinto Poético

Cantamos a poesia, sorrimos poesia, criamos poesia...
Somos criados por razões poéticas no auge de nossas vozes
Abandonamos as fraquezas por motivos de uma simples leitura
Atiramos sobre um belo e florido campo musical
As vielas da bondade deixam de ser um labirinto
Se perder só ser for por um amor que toca bem no peito
Nocauteados por uma poesia somos levados ao chão
Quão forte és o braço de um conto poético
Sou levado a esta canção de amor sobre uma rocha
As emoções são um dilema se não forem reconhecidas ao todo
Nossas lágrimas podem ser misturadas às águas de um rio
Livre ser que nos transforma em uma mera palavra escrita
Sua pontuação pode nos tirar do ponto
Suas reticências podem nos levar ao infinito
Sem ponto final embalamos sílabas por sílabas até o objetivo
Liberamos nossos ouvidos ao som desta música
As vírgulas não separam o amor que temos por ti.