sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Somos fases, somos minguantemente desordeiros da noite sem luar, sem lutar pelas cheias passamos pela nova, onde não há brilho mas sim renovação.
(Texto de 2012)